fbpx

Na maioria das vezes, quando o assunto é segurança digital, focamos muito em ameaças externas. Mas, para que haja uma proteção completa, é importante que também seja dada a devida atenção às ameaças internas e à sua nocividade. Para que você entenda melhor, as ameaças internas vão muito além de ações premeditadas por funcionários criminosos. Na maioria dos casos, a ação insegura não é intencional, feita com o objetivo de prejudicar a empresa, mas sim negligente.

Os profissionais negligentes, na maioria das vezes, sabem das políticas de segurança da empresa. Porém, fazem parte daquela turma que acredita que os problemas só ocorrem na “casa do vizinho” e que nada de grave vai acontecer se algumas regrinhas forem burladas para agilizar o trabalho. A utilização de dispositivos não autorizados para carregar arquivos diretamente na rede, por exemplo, é uma atitude que pode parecer inofensiva, mas, na verdade, é bastante insegura.

Quer reduzir o risco de ameaças internas em sua empresa? Confira este post com 4 dicas de segurança imperdíveis. Acompanhe!

1. Crie uma política de controle de acessos

Um dos fatores que aumentam o risco de invasões internas é a liberação de acesso total ao sistema para todos os funcionários. Quanto mais gente no ambiente, maiores são as chances de acontecer um imprevisto ou uma negligência.

Uma boa política de controle de acessos visa limitar as entradas de acordo com as necessidades de uma função. O objetivo é que cada profissional só consiga acessar os dados referentes ao seu cargo, reduzindo assim a exposição de todo o sistema caso haja uma invasão interna por meio de login de terceiros, sejam eles adquiridos de forma criminosa ou não.

2. Mapeie os dispositivos conectados à rede

Um bom mapeamento de rede pode prevenir situações críticas em relação à segurança, como a utilização de dispositivos não autorizados. Não cabe mais às empresas vetarem a utilização de dispositivos móveis em seus processos internos — afinal, eles já fazem parte da vida profissional das pessoas dentro e fora das empresas e proibi-los só prejudica a produtividade. Porém, todos os dispositivos que forem utilizados precisam ser devidamente registrados e autorizados, para evitar a penetração de agentes estranhos.

É claro que, quanto mais elevado for o número de dispositivos conectados, maiores serão as chances de problemas de segurança. Por isso, a empresa deverá ter em pauta os seguintes aspectos:

  • disponibilizar softwares de segurança e de proteção à rede para acesso à internet;
  • conscientizar os profissionais sobre o visual hacking (link);
  • criar protocolos de acesso às informações que sejam seguros;
  • as empresas que adotam o BYOD precisam certificar que os dispositivos utilizados pelos profissionais estão seguros.

3. Qualifique os profissionais

O conhecimento é uma das ferramentas mais eficientes quando o assunto é segurança, sendo um processo de filtragem que traz para o escopo de segurança os profissionais interessados em trabalhar de forma segura, mas que cometiam negligência por desconhecimento.

Cabe à empresa criar medidas educativas, investindo em conscientização e aprimoramento, para que os colaboradores entendam, de forma prática, os prejuízos que falhas que parecem irrisórias podem trazer para a empresa.

4. Fique atento à segurança do ambiente físico

A segurança digital não fica restrita apenas à proteção do ambiente virtual, na medida em que a proteção do espaço físico é um dos pilares da proteção às ameaças internas.

Ter o controle das pessoas que estão dentro do empreendimento, principalmente agentes externos como visitantes e colaboradores de terceirizadas, é importantíssimo para a prevenção. Caso ocorra algum tipo de problema de segurança, será mais fácil rastrear os profissionais que estavam trabalhando em determinado período no setor, sejam eles colaboradores ou pessoas de fora.

Como vimos no post, as ameaças internas são tão perigosos quanto as externas, com o diferencial de o controle depender apenas de agentes que estão dentro da empresa. É importante dar a devida atenção às novas formas de conexão à internet, principalmente quando é feita por meio de dispositivos móveis, e ter o controle de acesso e registro dos aparelhos que podem acessar a rede corporativa com muito mais segurança.

Gostou do post? Então, assine já nossa newsletter e receba nossas novidades em primeira mão!

Luís Montanari
Autor

Líder dos times de Vendas e Marketing da ADDEE e pai de duas lindas meninas. Graduado em Comunicação Social e apaixonado por vendas, política, tecnologia e cervejas. Trabalhando para transformar Empresas de Suporte em verdadeiros MSPs!

Escreva um comentário

Share This