Durante muito tempo a prioridade era dos computadores, mas o eixo de desenvolvimento de aplicativos mudou. Atualmente, os desenvolvedores começam um projeto de software tendo como foco os dispositivos móveis.

Essa tendência cresce conforme a popularidade dos smartphones aumenta e as pessoas estão cada vez mais imersas e conectadas. Com isso, os desktops e notebooks se consolidam como ferramentas de trabalho, e o desenvolvimento de massa passa a ser prioritariamente mobile.

Nesse cenário, um novo tipo de software vem ganhando bastante espaço: os aplicativos híbridos — que permitem que um programa seja distribuído em múltiplas plataformas mobile, com apenas uma etapa de desenvolvimento.

Quer saber o que são aplicações híbridas e por que elas estão se tornando tendência? Continue a leitura deste post!

1. O que são aplicativos híbridos?

Atualmente há dois sistemas operacionais dominantes quando o assunto é dispositivos móveis: o iOS, restrito aos aparelhos da Apple, e o Android, que é um sistema operacional multimarcas, presente em inúmeros dispositivos mundo afora — não só em smartphones, como em tablets, TV Box e até em alguns modelos de notebook mais simples.

Como estamos falando de sistemas concorrentes, cada um dispõe de um tipo de plataforma para desenvolvimento, armazenamento e comercialização de aplicações. Isso lança um grande desafio para os desenvolvedores que se dedicam ao mobile e querem atender aos dois públicos.

Para rodar nativamente nas duas plataformas, teríamos que produzir praticamente dois projetos diferentes. Para suprir essa demanda foram criados os frameworks, que permitem o desenvolvimento dos aplicativos híbridos.

Nesse cenário, resolve-se essa questão, possibilitando que um único projeto seja acessível tanto para os usuários de iPhone quanto para os da Samsung, Motorola e de outras marcas. Quer saber como? Continue lendo.

2. Como eles são desenvolvidos?

O que torna possível um mesmo código rodar tanto em um dispositivo Android quanto em aparelhos da Apple? Qual linguagem devemos utilizar?

Basicamente, um aplicativo híbrido utiliza a mesma base de uma aplicação web — HTML, CSS e JavaScript. Você deve estar pensando: mas esse tipo de aplicação rodará no navegador! Não e sim.

O que acontece é que os frameworks que possibilitam a criação dos aplicativos híbridos são desenvolvidos para rodar em uma base semelhante a um browser, mas não os tradicionais como o Chrome ou Safari, que são universais. Em um resumo simples, podemos dizer que cada aplicação funciona como um navegador único, que roda apenas um aplicativo web.

Esses frameworks, como o Apache Cordova, têm os plugins necessários para que o desenvolvedor crie uma aplicação utilizando plugins específicos, que permitem que o aplicativo use recursos do dispositivo, como câmera, sensores, ligação, entre outros, funcionando como os aplicativos nativos. É possível criar uma aplicação completa com a base de uma aplicação web e instalá-las em qualquer sistema operacional.

3. Quais são as principais vantagens de um aplicativo híbrido?

A primeira grande vantagem é flagrante: a oportunidade de portabilidade, ou seja, com um único código você poderá rodar o seu programa nos principais sistemas operacionais, o que aumenta o poder de atuação do desenvolvedor e da empresa que utiliza o aplicativo para oferecer um produto, vender o software como serviço, divulgar a sua marca ou prospectar leads.

Conforme as aplicações híbridas ganham espaço, mais material é produzido sobre o assunto, novos frameworks surgem e aumenta a comunidade de desenvolvedores desse tipo de aplicação — o que garante uma evolução dessa solução. Isso faz com que cada vez mais diminuam as distâncias entre o desempenho delas e de uma aplicação nativa — e isso nos leva para a nossa próxima questão.

4. Por que as aplicações híbridas se tornaram tendência?

O primeiro motivo é simples: a democratização. Até pouco tempo atrás, os profissionais tinham que ter o conhecimento de cada sistema operacional e de cada plataforma para desenvolver um aplicativo.

Isso acabava restringindo o mercado e travando a capacidade de algumas empresas por falta de profissionais especializados. Com os aplicativos híbridos quebra-se essa barreira, pois um profissional que já tem uma expertise como desenvolvedor web, com mais alguns ajustes pode se tornar um desenvolvedor mobile e atender a um maior número de clientes.

Outro ponto importante é o ganho de tempo, pois as tecnologias envolvidas no desenvolvimento dos aplicativos híbridos são mais leves, flexíveis e têm ambientes intuitivos para os testes — Ionica DevApp ou Ionic View, por exemplo — além de deploys e builds automatizados.

O desenvolvedor não fica preso a uma IDE específica, como o Android Studio, podendo utilizar o seu editor de texto favorito para trabalhar — sejam os mais robustos, como Eclipse e Visual Studio, ou os mais simples, como o Brackets e Notepad ++. Em casos mais emergentes, é possível desenvolver ou modificar um código utilizando o bloco de notas simples do seu computador.

As aplicações híbridas também oferecem a possibilidade de redução de custos, pois a empresa ou o prestador de serviços não necessitará de uma equipe especializada para cada tipo de sistema operacional. Além disso, como terá um código para todas as plataformas, as atualizações e manutenções se tornarão mais rápidas.

5. Quais são as diferenças para os outros modelos de aplicativos?

Agora que você conhece o conceito de aplicativos híbridos, deve estar se perguntando a diferença deles para os outros modelos. Veja a seguir.

Aplicativos nativos

Os aplicativos nativos, como o próprio nome sugere, são aqueles desenvolvidos especificamente para rodar em um sistema operacional. Todo o trabalho é feito a partir da SDK e da linguagem nativa, sendo sua distribuição (após aprovação) feita nas lojas oficiais — Play Store (Android) e Apple Store (iOS). Essas aplicações ficam armazenadas no aparelho e podem ser utilizadas em modo offline.

Em relação aos aplicativos híbridos, pesa a questão financeira por conta da necessidade de trabalhar com equipes e ferramentas diferentes para cada sistema operacional. Ganha-se em desempenho, pois há uma conexão direta com o sistema nativo.

Web app

Os web apps são os mais antigos desse segmento e os mais democráticos, pois exigem apenas a necessidade de um navegador. São desenvolvidos para rodar em PCs e smartphones, e são estruturados como uma aplicação web comum, com HTML, CSS, JavaScript e outros componentes web.

Pesa o fato de não terem acesso aos recursos do dispositivo e as limitações de funções, mas esses apps ganham na praticidade, pois não há necessidade de instalação, não ocupando espaço no armazenamento. São indicados para aplicações simples práticas e que não demandam tanto desempenho.

Esperamos que você tenha entendido o conceito de aplicativos híbridos e seus diferenciais, bem como suas vantagens e desvantagens. Você pode desenvolver ferramentas mobile para potencializar o seu trabalho como prestador de serviços e que os aplicativos híbridos são uma excelente escolha. Você tem três opções:

Gostou do post? Quer trabalhar com um dos melhores aplicativos híbridos? Então faça já um teste gratuito do NetPath, o software da SolarWinds que mudará o patamar do seu serviço.

Luís Montanari
Autor

Líder dos times de Vendas e Marketing da ADDEE e pai de duas lindas meninas. Graduado em Comunicação Social e apaixonado por vendas, política, tecnologia e cervejas. Trabalhando para transformar Empresas de Suporte em verdadeiros MSPs!

Escreva um comentário

Share This