Os computadores são compostos por duas partes: o software — conjunto de programas — e o hardware — constituído pelos componentes físicos. Como os softwares são os responsáveis por permitir a execução de tarefas específicas, comandando, assim, todo o funcionamento e a lógica dos computadores, é bem importante que eles estejam sempre atualizados, não é mesmo?

De acordo com uma pesquisa da empresa de segurança F-Secure, 94% das pequenas e das médias empresas nem sempre cuidam da segurança dos softwares e acabam por colocar os negócios em risco ao deixá-los desatualizados. Apenas 59% das organizações disseram atualizar os softwares com certa frequência. Ainda segundo a pesquisa, 63% assumem ter os recursos necessários para realizar essas atualizações.

Diante dessa realidade, como você, profissional de tecnologia da informação, deve atuar para convencer as empresas sobre a importância de investir em softwares atualizados e, ainda, como técnico de TI, ajudar para que os softwares de seus clientes estejam sempre em dia?

Se você precisa de algumas dicas nesse sentido, acompanhe nosso conteúdo e entenda como manter a estabilidade dos sistemas das empresas.

Principais objetivos para a realização das atualizações de softwares

Manter os softwares atualizados garante maiores índices de segurança para as máquinas de seus clientes, certo? No entanto, quais são os reais objetivos dessas atualizações?

Pois bem, o primeiro objetivo da atualização de softwares é corrigir falhas identificadas pelos fabricantes dos sistemas. Essas bug fix relacionadas à segurança previnem contra vulnerabilidades, já que são muitos os criminosos virtuais tentando explorar softwares desprevenidos.

Um exemplo recente é o WannaCry, vírus Ransom.CryptXXX, do tipo ransomware. Esse malware de criptografia sequestra e bloqueia arquivos e pastas do computador, devolvendo o acesso ao proprietário apenas sob o pagamento de bitcoins.

Esse ataque, especificamente, aproveitou-se de uma brecha de atualização do Windows para alcançar várias máquinas e explorar dados de uma só vez. Daí a importância de identificar falhas e realizar as correções de forma frequente.

Para se ter uma ideia, o WannaCry já rendeu mais de US$ 25 milhões ou R$ 80 milhões aos cibercriminosos, de acordo com um estudo realizado pelo Google em parceria com a empresa de pesquisa Chainalysis, com a Universidade da Califórnia e com a escola de engenharia da Universidade de Nova York.

O segundo objetivo principal é atualizar a aplicação para envolver melhorias em novos recursos. Essa atualização não necessariamente tem a ver com a correção de erros, mas, na verdade, com a alteração de estrutura de um software, trazendo novas funcionalidades ou mesmo tornando-o mais ágil.

Vale destacar que a atualização de softwares não garante apenas a estabilidade de funcionamento, mas também envolve questões legais. Isso porque se a empresa não realizou as atualizações recomendadas pelo fabricante, ela não poderá responsabilizá-lo por eventuais erros que causem prejuízos, pois esses, certamente, estarão diretamente relacionados às novas atualizações não realizadas.

Sendo assim, é papel do prestador de serviços gerenciados (MSP) alertar as empresas para a importância de estar em dia com as atualizações dos sistemas operacionais, estando livres de vírus, bugs e falhas de segurança.

Vale ressaltar que não existe um software mais importante que outro para ser atualizado. O profissional deve proceder para que todos sejam sempre mantidos atualizados, lembrando, ainda, que é preciso considerar os softwares mais usados por cada empresa e garantir que, pelo menos, o sistema operacional esteja com as restaurações sempre em dia, além dos navegadores e apps.

E-book gratuito

Dificuldades mais comuns enfrentadas para manter os softwares atualizados

Infelizmente, a pirataria ainda é uma realidade no mercado brasileiro de softwares. De acordo com pesquisa global da BSA The Software Alliance, 46% dos softwares instalados em computadores brasileiros não estão devidamente licenciados, um ponto percentual a menos que em 2016. Esses números representam um valor comercial de US$ 1,7 bilhão.

Ainda segundo o levantamento, o Brasil progrediu e apresentou a menor taxa da América Latina. Nesse espaço geográfico, o Brasil é seguido pela Colômbia e pelo México, que apresentam taxas de uso de software não licenciados corretamente de 48% e 49%, respectivamente.

A taxa total do mundo fica em 37% de uso de softwares que não estão devidamente licenciados, sendo o índice mais baixo o do Japão, que fica em 16%, e o mais alto o da Líbia, que alcança 90% dos softwares irregulares. O estudo mostra ainda que os ataques cibernéticos são um dos principais riscos ligados ao uso de softwares irregulares, sendo que, a cada segundo, surgem, pelo menos, oito novas ameaças de malware em todo o mundo.

Contudo, o resultado brasileiro ainda demonstra a vulnerabilidade do país aos ataques. Diante desse cenário, muitas empresas brasileiras acabam não realizando a atualização de suas máquinas, por não terem os softwares licenciados junto aos fabricantes.

Ainda assim, é papel do prestador de serviços gerenciados (MSP) mostrar a importância dessa atualização, mesmo que alguns sistemas não sejam legalizados. Hoje, alguns fabricantes permitem, até mesmo, a atualização de softwares não licenciados devidamente.

Portanto, o MSP deve mostrar para o seu cliente que ele não tem razões para entrar nessa estatística negativa e deve, sim, investir na atualização dos seus softwares, ainda que o fabricante não o obrigue. É uma questão de manter a qualidade de uso dos sistemas, bem como a segurança operacional da rede.

Além disso, o MSP deve contar com ferramentas de gerenciamento de TI e de segurança de dados para realizar a atualização remota dos computadores dos seus clientes. Essas plataformas vão ajudar a identificar o comprometimento da equipe de TI em relação à atualização das máquinas dos usuários, centralizando as operações e tornando os processos mais otimizados e produtivos.

Entendeu a realidade das companhias brasileiras diante de softwares atualizados e por que é tão importante focar o trabalho da sua empresa de TI nisso?

Se você tem interesse em demonstrar para os seus clientes a importância dessa atualização e precisa de ferramentas de qualidade para ajudar na gestão de patches, entre em contato com a Addee e conheça as ferramentas de gerenciamento e monitoramento remoto que podem ajudá-lo a minimizar os problemas de segurança das máquinas dos seus clientes.


Rodrigo Gazola
Autor

Com muitos anos de experiencia em TI, trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana, dá aula sobre excelência em workaholic. Apesar de ser especialista em MSP, adora quando o assunto é backup. Rodrigo esbanja bom humor (diz a lenda que seu segredo é cerveja, churrasco e Rock'N'Roll) e é o mais ativo daqui, já até pensou em rodar o mundo em cima da sua bike.

Escreva um comentário

Share This